Podcast

Sempre tem um chato

Com Denis Andrade, Brunno Cardoso, Bruna Cunha, Bruna Tesch e Carina Andrade
Pinterest LinkedIn Tumblr

ATENÇÃO! Não seja chato e ouça esse programa.

Denis Andrade, Brunno Cardoso, Bruna Cunha, Bruna Tesch e Carina Andrade falam sobre os colegas de trabalho chatos.

No programa de hoje: Entre na discussão da temperatura ideal para o ar-condicionado, saiba qual o destino das pipocas de manteiga, entenda a diferença de ser amigo ou ser puxa-saco e aprenda o torcer para o time certo.

Recados

  • SEMrush, ferramenta indispensável para quem trabalha com Search Marketing.
  • Canal da Mateada no YouTube.

Comentado no programa

Opiniões e comentários

Envie sua mensagem sobre este podcast por e-mail para [email protected] ou envie uma mensagem de texto ou voz para o WhatsApp (51) 999-283-800

Assine o Mateada Podcast

No: Apple Podcasts | Spotify | Google Podcasts | YouTube | Email | RSS

Não sabe como assinar um podcast? Visite essa página e veja como fazer passo a passo.

Créditos

  • Edição completa por Radiofobia Podcast e Multimídia;
  • Podcast hospedado por Blubrry Host.

5 Comentários

  1. Olá, pessoal! Sou professor de design em Ribeirão Preto, interior de SP e participo de um podcast chamado degêcast. Estou começando a acompanhar o podcast da Mateada agora, ouvindo do primeiro até o mais recente, e acabei de ouvir o #02, sobre os chatos. Tem um outro tipo de chato: o chato Gonçalves Dias, o saudosista, que declama a “Canção do Exílio” o tempo todo. Trabalhei em uma empresa que tinha um cara de fora, um gaúcho* de Bagé, e tudo no sul era melhor: as mulheres eram mais bonitas, os políticos mais idealistas, os empregos mais dignos, a grama mais verde, a brisa mais reconfortante, o céu mais azul, o mate mais amargo… Dava vontade de falar pra ele: “Se tudo é tão melhor lá, por que veio pra cá namorar mulher feia, viver num lugar horrível cheia de gente sem escrúpulos e ainda por cima tomar mate ruim?!?” rsrsrs *Por favor não me levem a mal, não tenho nada contra gaúchos, nem preconceitos com qualquer cultura ou etnia. Pelo contrário, admiro e respeito muito a história e a tradição do Rio Grande, e acho que entendo alguns dos porquês dessa suposta auto-afirmação. Mas era chato, não pelo cara ser gaúcho, mas porque em toda conversa ele tinha que tirar vantagem das aves que não gorjeavam como as de lá… Parabéns pelo programa, continuem com o bom trabalho! Vida longa ao Mateada Podcast (e à agência também!) Abraços

  2. Descobriu por acaso o Mateada… Muito bacana.. me aflora a vontade de ingressar neste ramo. Sucesso com o podcast.

    Uma sugestão: usem o Disqus como ferramenta de comentário… rsrs

    Abraços

    PS me deu vontade tb de tomar um mate..

  3. Olá amigos do mateada, tudo bem? Sobre o episódio, como coloquei no comentário anterior, já trabalhei em uma corretora de imóveis e lá até que o ambiente era agradável (não só o clima como as pessoas) e era difícil ter chatos assim já que a maioria dos corretores ficavam ocupados tentando vender lotes. Mas é verdade que sempre tem seus chatos principalmente quando se trata de usuários. Já encontrei casos de pessoas que, como foi mencionado, querem saber muito mais do que nós em relação a nossa área e até explicar que eu não posso dar a senha do usuário admin é uma luta. Gostaria de deixar meu apelo para que não mudem a duração do episódio, 30 a 40 minutos (na minha opinião) é o suficiente para um podcast, ainda mais que o de vocês é bem informativo na atual duração e aumentar ela poderia ser um problema. Adorei o efeito de que ninguém tem o direito de ficar feliz as 08:00 da manhã hahahahaha a pessoa deveria estar em um péssimo dia. Continuem o trabalho e abraços 🙂 !

Escreva um comentário

Pin It