Dia 27 de Junho de 2018 foi a data em que o Google lançou a bomba para o mundo: chegou a hora de dizer “bye-bye” para o nosso querido Google AdWords, com quase 18 anos de serviço. Mas o adeus é por um bom motivo: vamos receber de braços abertos o Google Ads!

Então o sistema para anunciar no Google que conhecemos hoje vai mudar? Não, mas a ideia é implementar melhorias para que os anúncios fiquem cada vez mais eficientes. O Google sempre analisou o comportamento dos usuários em suas plataformas, assim como as tendências. Com base nisso foi percebida a necessidade de realizar o rebrand do Google Adwords para Google Ads.

O que nos aguarda de agora em diante são novidades empolgantes, principalmente para empresas pequenas. Então, acompanhe aqui todas as informações que nós reunimos sobre o Google Ads e quais são as principais mudanças e novidades reveladas pelo Google!

Anúncios do Google melhoram com o Machine Learning

Para explicar com detalhes o que vem por aí, o Google promoveu uma live do Marketing Innovations Keynote 2018 que foi transmitida no Youtube. O foco foi explicar os motivos da mudança, as tendências e as novidades da nova plataforma de publicidade online do Google.

Nessa live o Google deixou muito claro que o principal motivo da renovação do AdWords para o Ads e demais mudanças é melhorar a eficiência das campanhas. Para garantir que os anúncios apareçam “na hora certa e para a pessoa certa” o Google Ads vai usar muito a tecnologia machine learning (aprendizado da máquina).

O progresso do algoritmo do Google em entender o comportamento dos usuários durante as buscas, consumo de conteúdos e compras, trouxe novas possibilidades para criar campanhas mais eficientes e levar anúncios que sejam de valor aos consumidores.

“Os anúncios devem agregar valor”
disse Sridhar Ramaswamy, Vice-Presidente Sênior de Anúncios e Comércio.

Além disso, outros dois pontos também fazem parte do objetivo dessa mudança: priorizar a experiência dos usuários em mobiles e oferecer novas opções de campanhas que beneficiam as empresas pequenas. Com todas essas metas em mente, a seguir vou te mostrar o que mudou com o Google Ads.

A mudança do Google AdWords para o Google Ads

Logotipo do Google Ads.

Vi que algumas pessoas estão se perguntando: por que mudar o nome de AdWords para Ads? A resposta para isso é bem simples, basta analisar qual era a proposta do nome lá no início, quando o AdWords era novidade, e comparar se o objetivo da ferramenta ainda é o mesmo. Olha só:

  • Ad (anúncio) + Words (palavras) = uma ferramenta que permite criar anúncios para as buscas do Google e o critério para que eles apareçam para os usuários é através das palavras-chave, além da segmentação de público. Isso era o tínhamos de melhor em tecnologia para anúncios na época, já que o AdWords começou nos anos 2000.

Só que o comportamento dos consumidores mudou muito ao longo dos anos quando falamos em internet. Por que? Bom, pense que lá no ínicio do Google AdWords as pessoas usavam apenas desktops para navegar e o número de usuários na internet era bem menor. Isso permitia que a lógica para anunciar fosse muito mais simples e o mecanismo combinava totalmente com o nome “AdWords”.

Outro fator crucial foi o avanço tecnológico. Ao longo desses 18 anos de Google AdWords, os computadores evoluíram muito, vimos a internet crescer absurdamente e os mobiles conquistaram seu espaço no dia a dia das pessoas. O algoritmo do Google também evoluiu muito ao longo desses anos, passando a fazer análises muito mais profundas quanto ao comportamento dos usuários.

Agora temos bem mais pessoas conectadas durante horas e horas por dia. Isso aumentou o consumo de conteúdo na internet, ou seja, temos outras formas de explorar as possibilidades de anúncio: o público no Youtube, os jogos e apps do Google Play, as buscas locais no Google Maps e outros.

Por isso que chamar a ferramenta de Google Ads ficou mais apropriado para o que vivemos nesse momento!

“Há mais de um bilhão de pessoas na internet hoje em comparação a cinco anos atrás. Há o dobro de pessoas em smartphones.”

O que vai mudar com o Google Ads?

O objetivo do Google Ads é promover campanhas mais inteligentes utilizando o machine learning para oferecer soluções integradas e facilitar os processos realizados por equipes, profissionais e empresas todos os tamanhos.

O novo formato facilita a introdução de pequenas empresas aos anúncios online. O algoritmo é capaz de selecionar as melhores opções de combinações de palavras-chave, títulos e descrições, além de identificar quais usuários são mais propensos a realizar uma compra ou ação com sua empresa. Assim, as chances de retorno com campanhas no Google aumentaram ainda mais.

Outra melhoria é a possibilidade de criar anúncios em poucos minutos, fornecendo apenas algumas informações para o Google. É como um upgrade do Google AdWords Express. E como a própria equipe do Google diz, o objetivo de tantas mudanças é “fazer seu telefone tocar, enviar leads para seu website ou levar clientes para sua loja”.

Você pode ler sobre o Google Ads com mais detalhes no artigo do próprio Google sobre como o Google Ads vai ajudar as pequenas empresas (em inglês).

Unificação de plataformas

Apesar do foco deste texto ser o Google Ads, aconteceram outras duas mudanças que também impactam na publicidade online: a unificação de alguns serviços em duas plataformas. Para que você não fique por fora disso, trouxe uma breve explicação sobre cada uma delas:

O Google Marketing Platform

O Google Marketing Platform unificou o Analytics 360 Suite e o DoubleClick para que os profissionais de marketing possam ter, em um só serviço, ferramentas para gestão e análise de resultados.

As ferramentas disponíveis no Google Marketing Platform serão:

Logotipo do Google Marketing Platform com a lista de ferramentas da plataforma.

Para ler mais detalhes sobre o Google Marketing Platform, você pode acessar o post de introdução ao Google Marketing Platform completo do Blog do Google.

O Google Ad Manager

O Google Ad Manager é a unificação do DoubleClick for Publisher e do DoubleClick Ad Exchange. Como o Double Click já está a mais de dez anos no mercado, o objetivo com o rebrand foi quase o mesmo do Google Ads: criar um nome que refletisse melhor sobre a plataforma.

Logotipo do Google Ad Manager.

Resumindo: o nome Google Ad Manager transmite melhor a ideia de uma plataforma prática para gestão de sites monetizados e controle dos anúncios que serão exibidos.

Para saber mais detalhes, você pode ler o post de introdução ao Google Ad Manager no Blog do Google.

Anunciar no Google: quais as novidades?

O que já temos com o Google AdWords não irá mudar no Google Ads, pode ficar tranquilo. A grande mudança mesmo está na implementação de novos tipos de campanhas e melhorias para anunciar em outras plataformas do Google, além de opções mais vantajosas para empresas de pequeno porte. Veja a seguir as principais novidades!

Anúncios responsivos de pesquisa

O Google quer possibilitar aos anunciantes a criação de campanhas mais flexíveis, que tornem simples o processo de criar anúncios e testá-los. A ideia, também, é que as campanhas conquistem resultados melhores com o machine learning e a proposta para que isso aconteça é:

  • Você fornece até 15 opções de títulos e 4 opções de descrição para o Google Ads;
  • Com isso, o sistema machine learning do Google cria combinações diferentes de anúncios com base no que pode ser mais relevante para o usuário que fez a pesquisa.

Esse novo processo permite adaptar o anúncio para cada potencial cliente de acordo momento em que ele se encontra. Ou seja, a exclusividade da informação faz com que as chances de clique sejam mais elevadas.

O prometido pelo Google foi que os anúncios de pesquisa responsivos estarão disponíveis para anunciantes nos próximos meses, mas apenas em inglês. Mais idiomas serão liberados até o final de 2018.

Pontuação de velocidade da página

Também teremos um novo parâmetro para determinar quais são as páginas que estão oferecendo uma experiência melhor ao usuário: pontuação de velocidade da página de destino. Essa pontuação vai de 0 à 10, com classificação de muito lento à extremamente rápido. Esse critério leva em conta algumas coisas, como a relação entre a velocidade de carregamento da página e a taxa de conversão.

Esse mecanismo é para ajudar as empresas a não perderem seus potenciais clientes por causa de um site que carrega muito lentamente, principalmente para dispositivos móveis.

  • Resumindo: não adianta seu anúncio ser eficiente e levar os usuários ao seu site e eles acabarem saindo sem realizar uma compra justamente por causa da lentidão das páginas.

Inclusive, foi apontado que muitas pessoas entendem a importância do tempo de carregamento, mas poucos conseguem identificar a velocidade de seus sites. Logo, essa novidade vai ajudar a identificar esse problema.

“Mais da metade de todos os usuários de smartphones não faria uma compra em um site para dispositivos móveis, pois leva muito tempo para carregar.”

Campanhas locais

É inegável que a maioria das compras ainda é feita em lojas físicas: quase 80% dos consumidores vão até o local onde querem comprar para adquirir um produto imediatamente. Por isso que para boa parte das empresas é essencial que o objetivo dos anúncios na internet seja direcionar os consumidores para realizar a compra em lojas físicas.

Além desse hábito, foi analisado que as buscas “open near me” — abra perto de mim — em mobile cresceram 3 vezes mais nos últimos 2 anos. Esse comportamento se mostra ainda mais forte em alguns momentos durante o ano, como datas comemorativas, eventos e promoções nas lojas.

“Três em cada quatro pessoas que realizam uma pesquisa local no smartphone visitam um negócio relacionado em até 24 horas”.

Pensando nisso que uma das novidades do Google Ads está nas campanhas locais. O objetivo é que seus anúncios sejam mais “certeiros” em gerar visitas, exclusivamente, para sua lojas física. Como?

  1. Você fornece informações simples: o endereço do seu negócio e o copy dos anúncios das suas ofertas e produtos.
  2. Então o machine learning se encarrega de mostrar o anúncio da sua loja, nos demais sites e parceiros do Google, para usuários que demonstrem estar em uma etapa propensa a escolher sua marca para realizar uma compra.

Campanhas Smart Shopping

A grande novidade para Shopping, com prévia de lançamento para 2018 ainda, é o feed automatizado: uma ferramenta que facilita para os comerciantes criarem seu primeiro feed de produtos.

Hoje, ocorrem muitos problemas ao criar um feed de produtos e isso prejudica o processo para vários comerciantes que gostariam de começar a usar o Google Shopping. Com o feed automatizado, ele rapidamente rastreia o site indicado, reúne detalhes relevantes dos produtos e cria automaticamente o feed usando as informações captadas.

O machine learning também vai ser usado para melhorar a eficiência das campanhas de Shopping, que agora são chamadas de “campanhas Smart Shopping”. O processo continua simples:

  1. Você precisa de uma conta no Google Merchant Center;
  2. Defina o investimento da campanha;
  3. Faça o upload de recursos;
  4. Escolha o país da venda.
  5. Pronto! O algoritmo do Google vai buscar as informações do seu feed de produtos e testar diversas combinações diferentes com as imagens e textos que você disponibilizou. Então os anúncios considerados mais relevantes serão exibidos no Google e em suas outras plataformas, como Youtube, Gmail Google Play e outros.

“Campanhas inteligentes para anunciantes de pequenas empresas são três vezes melhores para exibir seu anúncio para o público certo.”

Integração de plataformas de e-commerce

E a última novidade quanto aos anúncios no Shopping é a integração com algumas plataformas importantes de e-commerce, como o Shopify. Você terá opções como: sincronizar o catálogo do Shopify com o Merchant Center para criar e manter seu feed de produtos alinhado e atualizado. Outro ponto legal é a possibilidade de gerenciar campanhas de smart shopping direto da conta do Shopify.

O objetivo dessa novidade é que você possa gerenciar suas campanhas de anúncios e seu feed em uma plataforma só, sem precisar ter que alterar o tempo todo entre Shopify, Google Ads e Merchant Center.

Campanhas de Hotel

O Google está de olho em uma parcela de empresas que, segundo eles, “dependem cada vez mais de conexões com pessoas”, que são as empresas do segmento de viagens. Foi observado que as pessoas que costumam viajar usam o mobile para planejar a viagem e reservar as passagens e o hotel.

“Os viajantes recorrem a dispositivos móveis para recomendações quase 4.5x com a mesma frequência de fontes off-line, como agentes de viagens ou seus amigos e familiares.”

Alguns anos atrás o Google já tinha implementado os anúncios para hotéis para que os usuários pudessem ver, de forma rápida e prática, quantos quartos estavam disponíveis e quais suas taxas, então realizar a reserva com poucos cliques.

Agora, com a chamada “campanhas de hotel”, será possível agrupar os hotéis cadastrados por atributos, como marca e classe. Além disso a nova opção permite utilizar controles de lances e o machine learning para maximizar o número de reservas conforme a meta do hotel.

  • Resumindo: para hotéis ou pessoas que trabalham como anunciantes de viagens, use as campanhas de hotel para ter anúncios mais eficientes em converter reservas.

Aumento no potencial do Youtube

Todos os dias, as pessoas assistem mais de 1 bilhão de horas em vídeos no Youtube
e boa parte desse consumo é para obter inspiração e informações antes de realizar uma compra.

“No mundo, as conversões geradas pelos anúncios no YouTube aumentaram em 150% no último”.

Esse exemplo foi usado para validar a importância dos anúncios em vídeos no Youtube, que serão exibidos no momento certo (a pessoa com interesse no produto) e para os usuários certos (as pessoas propensas a compra).

Mas o que vai mudar, então?

Até agora, o Google só disponibilizou a opção de campanhas (visualizações e impressões) no Youtube. O novo objetivo é potencializar as conversões neste canal e ajudar as empresas a alcançarem pessoas que demonstrem uma probabilidade maior de considerar a marca no anúncio como uma real opção de compra.

As opções que teremos, agora:

  • True view for reach: essa opção é para melhorar o alcance do formato de anúncio in-stream. Ainda não sabemos de mais detalhes, mas o que foi dito é que essa opção “ajuda a aumentar a conscientização de um amplo conjunto de clientes, tudo dentro do ambiente 95% visível e 95% disponível do Youtube.”
  • True view for action: é o chamado “público e intenção personalizados”. Agora será possível alcançar, até no Youtube, aqueles usuários que recentemente pesquisaram por produtos ou serviços relacionados ao seu negócio. Por exemplo: os anúncios de uma companhia aérea alcançarão uma pessoa que recentemente pesquisou no buscador do Google por “passagens para o Canadá”.
  • Maximite Lift: usa o machine learning do Google para ajudar as empresas a alcançarem os usuários com maior probabilidade de considerar uma compra com a marca do anúncio visualizado.

O que é preciso para começar a usar o Google Ads?

Mesmo que a notícia do Google Ads ainda seja nova, a migração para a plataforma não precisa ser feita imediatamente. Inclusive você pode ir se adaptando aos poucos com a nova interface enquanto o Google AdWords está disponível para uso.

O meu conselho é que você evite migrar somente quando não houver mais opção. Aproveite o tempo para se acostumar e aprender as novas funcionalidades enquanto tudo ainda é novidade para todos.

Para facilitar o entendimento dessa experiência de migração, eu pedi para que minha colega Paloma Kussler contasse para nós a experiência dela com essa mudança, já que ela é nossa Analista de Links Patrocinados aqui na Agência Mateada.

Olha só:

Foto da analista de links patrocinados da agência Mateada, Paloma Kussler.“A migração da nova interface do AdWords tem acontecido de forma bem gradual, lentamente. Desde o começo, essa nova versão já conta com algumas funcionalidades que não existem na versão antiga, por exemplo: as extensões de promoção e a possibilidade de adicionar notas nas próprias campanhas do Ads.

Além disso, nos últimos tempos o AdWords vem desativando algumas funções clássicas da antiga interface, como as regras automatizadas, que agora só estão disponíveis na nova versão.”

Então, preparados para receber o Google Ads?

Como vimos, o que já tínhamos com o Google AdWords vai continuar com o Google Ads, mas podemos contar com o esforço do Google em trazer opções mais eficientes de campanhas usando o machine learn, além de todas as novidades que facilitam para que as pequenas empresas também consigam anunciar e conquistar ótimos resultados.

Então não temos motivos para lamentações. É hora de dizer adeus para o Google AdWords e aproveitar as novas oportunidades e receber o Google Ads. Afinal, a vida internet é feita de mudanças! 🙂


Gabriela Dias
Gabriela Dias

Estudante de publicidade e propaganda, redatora na Agência Mateada e desenhista nas horas vagas. <3