Imagine que você tem uma máquina do tempo e viajou para alguns anos no futuro. Então, você gostou de um produto em uma loja online e vai comprá-lo. Como é que está o processo de compra no e-commerce aí, tempos a frente do nosso?

É uma pena que ainda não seja possível viajar para o futuro e conferir com nossos próprios olhos, mas dá para fazer previsões do que vem por aí nos próximos anos com base em acontecimentos do presente. O que está acontecendo no mundo e como isso pode refletir no e-commerce no Brasil? É isso que vou mostrar a você aqui!

“Seu futuro ainda não está escrito, o de ninguém está. Seu futuro será o que você quiser, então faça dele algo bom.”
– Dr. Emmett Brown

Previsão #1: Pop Up Stores ou Lojas Temporárias

Um e-commerce também pode se dar bem como loja física.

De um jeito bem simples, as Pop Up Stores são lojas temporárias que ficam por um período determinado em um local físico, geralmente entre uma semana a três meses. E se você pensou “qual a vantagem em criar uma loja física por pouco tempo”, a resposta é: muitas!

  • Baixos custos de aluguel: claro que, ao ficar menos tempo em um lugar, mais barato será o valor total da locação do lugar.
  • Baixo risco de investimento: se não deu certo, os gastos foram bem menores do que instalar uma loja permanente.
  • Possibilidade de testes com o público e locais: uma das ideias das lojas temporárias é se aproximar do público para entender como eles se comportam em relação aos seus produtos e quais locais estão presentes em maior número.
  • Ação de promoção: para ações especiais, como queima de estoques e ofertas imperdíveis, as lojas temporárias servem para levar a ação a lugares diferentes.
  • Aumentar conhecimento da marca: é uma maneira de divulgação, já que sempre que abre uma loja temporária em locais diversos, pessoas diferentes passam a conhecer a marca.
  • Outros, conforme objetivo da marca com uma loja temporária.

Mas as Pop Up Stores não são novidade, pois esse conceito começou há alguns anos com as lojas tradicionais. A grande diferença observada nessa estratégia é que as marcas que nasceram no e-commerce também podem ir para a loja física de um jeito mais prático e com maior chance de sucesso.

O objetivo disso não é só atingir um público novo, mas também testar o cenário de vendas em lojas físicas e a recepção das pessoas com sua marca.

  • Uma marca brasileira que usou o conceito das Pop Up Store foi a Oppa móveis e acessórios. Com loja temporária, a marca levou seus produtos para públicos diferentes, além de proporcionar a experiência “real” do contato.

Previsão #2: Integração da compra online em loja física

Já pensou entrar em uma loja, escolher um produto e fazer a compra online?

Essa é a proposta da PagSeguro com a F1 Soluções e que tem tudo para se tornar algo comum no hábito de compra dos próximos anos!

Com isso, será possível colocar totens integrados à famosa “Moderninha Pro” nas lojas para que o consumidor possa efetuar sua compra online. Mas qual o objetivo de comprar online estando na loja física?

Vamos imaginar que você quer um sapato branco. Ao entrar em uma loja, gosta muito de um modelo específico, mas aquela loja só tem a cor vermelha em estoque. Em outras ocasiões seria bem provável que você desistisse da compra. Mas se a loja tiver a possibilidade de verificar todo o catálogo do e-commerce, ali mesmo, e você achar a opção na cor branca, pronto! A compra online é feita na loja física.

Assim, o consumidor vai poder realizar a compra de produtos que não estão indisponíveis no estoque, fora outras situações que essa integração pode facilitar!

-> Além disso, essa parceria permitirá ao varejista a gestão integrada dos estoques. 🙂

Previsão #3: Realidade aumentada no e-commerce

Testar produtos com a câmera do celular vai facilitar a decisão de compra do cliente!

Vai me dizer que você achou que a realidade aumentada era coisa só do mercado de games? Claro que não! Essa tecnologia vai ser exigência dos consumidores em alguns segmentos do mercado por ajudar na melhor escolha do produto.

No momento, as empresas que conseguem oferecer realidade aumentada na experiência de compra se destacam — e muito — no mercado e na concorrência.

Uma marca que você conhece e que usa a realidade aumentada para ajudar o cliente na escolha do produto é a Converse. Como uma pessoa vai confiar em uma compra de calçado pela internet se não pode provar combinações? A proposta da Converse é melhorar a experiência do usuário com o produto e facilitar a decisão de compra!

Outra marca que agradou bastante os seus clientes com a possibilidade da realidade aumentada foi a IKEA, do segmento de móveis e decoração. Os produtos da loja ficam disponíveis para que os consumidores consigam visualizá-los nos ambientes da casa, basta ter um celular e o catálogo da loja.

Previsão #4: Pick up points

Os armários espalhados pela cidade são um jeito bem diferente e inovador para a retirada das compras.

Você já sabe que a Amazon está sempre inovando em tudo, logo, uma maneira de se manter por dentro das tendências e tecnologias para o futuro no Brasil é acompanhar suas novidades pelo mundo. Isso porque a empresa investe em inovações o tempo todo, como foi o caso do Amazon Locker: um jeito novo dos consumidores receberem as suas compras no e-commerce.

Pick up points (ou lockers) são armários espalhados pela cidade, com várias gavetas que só abrem caso você tenha o código para liberação. Assim, o comprador pode retirar os produtos no Amazon Locker mais perto da sua casa!

Armário para receber compras da Amazon Locker

É um jeito novo e bem diferente de receber seus produtos e isso deu tão certo que já faz parte dos hábitos de compra das pessoas nos EUA.

Será que funcionaria bem aqui no Brasil? Bom, empresas como a Pegaki e a Jadlog já possibilitam as entregas em pick up points. As lojas Casas Bahia, Ponto Frio e Extra estão testando em São Paulo um sistema bem semelhante ao Amazon Locker, com retirada em armários 24 horas em locais estratégicos na cidade. Por isso, pode acreditar: esse tipo de entrega vai ser comum aqui no Brasil também!

Previsão #5: Compras com ajuda de uma assistente virtual

“ — Assistente virtual, compra para mim? Obrigado!”

Outro hábito que vemos em alguns países pelo mundo é a interação verbal com assistentes virtuais em diversas tarefas do dia a dia, seja para fazer uma pesquisa no Google, programar a agenda ou “comandar” a nossa casa. Bem chique! 🙂

Agora também é possível realizar compras apenas com comandos de voz. Novamente, holofotes na Amazon: com o cadastro de dados residenciais e bancários, junto ao reconhecimento da sua voz, é possível fazer compras com a assistente Alexa.

Olha só que legal:

Conforme os assistentes virtuais forem se tornando mais necessários na rotina dos brasileiros, a opção de compra por comando de voz também será realidade no Brasil.

Conclusão: o futuro é o fim do comércio físico?

Você bem sabe que é difícil prever o futuro, afinal o mundo não acabou em 2012 como a gente temia :). Mas é possível tirar boas conclusões com o que estamos vivenciando no mundo e com as novidades que estão chegando aos poucos aqui no Brasil. Olha aí:

  • Em um futuro próximo as compras serão integradas. O e-commerce não vai acabar com lojas físicas, mas ambos comércios vão caminhar juntos.
  • A tecnologia vai mudar o jeito que estamos compramos hoje. Testar produtos com realidade aumentada e comprar apenas com o comando de voz são duas provas das inovações para facilitar os processos de compras.

Por enquanto, vamos assistir (e participar) o desenrolar dessa história. Compartilhe esse artigo para que mais pessoas possam ver nossas previsões e trocar uma ideia aqui nos comentários!


Gabriela Dias
Gabriela Dias

Estudante de publicidade e propaganda, redatora na Agência Mateada e desenhista nas horas vagas. <3